Autor/aSilvia Cristina Preissler Martinson

Nasceu em Porto Alegre, é advogada e reside atualmente no El Campello (Alicante, Espanha). Já publicou suas poesias em coletâneas: VOZES DO PARTENON LITERÁRIO lV (Editora Revolução Cultural Porto Alegre, 2012), publicação oficial da Sociedade Partenon Literário, associação a que pertence, em ESCRITOS IV, publicação oficial da Academia de Letras de Porto Alegre em parceria com o Clube Literário Jardim Ipiranga (coletânea) que reúne diversos autores; Escritos IV ( Edicões Caravela Porto Alegre, 2011); Escritos 5 (Editora IPSDP, 2013) y en español Versos en el Aire (Editora Diversidad Literaria, 2022) Participou de concursos nacionais de contos, bem como do GRUPO DE ARTISTAS E ESCRITORES DO GUARUJA — SP, onde teve seus poemas publicados na coletânea ARAUTOS DO ATLANTICO em encontros Culturais do Guarujá.

A tua ausência

A

Silvia C.S.P. Martinson

Pelas ruas solitária caminhava
a sentir como punhaladas
o vazio, incongruências,
em meu coração assinaladas.
Hás partido e o que hás vivido,
nos caminhos deixaste esquecido,
deixastes sem remorsos:
o tão grande carinho
e todo o amor recebido.
A vida te roubou,
a terra que te encontrou
de mim usurpou
a alegria, a esperança,
deixando à tua ausência
somente do amor
só dor. E de ti total carência.
Como dói!
A tua ausência...

Canções

C

Silvia C.S.P. Martinson

Canção de pássaro
morto na alçada
do voo que liberta,
tal qual guerreiro oprimido,
que se desacorrenta
e audaz,
inocente,
levanta a espada
pela última vez.
Canção de pobre
rastejante andrajo,
de gente esquecida,
pois humana não é.
Passou das escalas
e na vida não conta.
O zero lhe é muito
e em nada se faz.
Canção de inconscientes
e falazes, de egoístas
e traidores,
são a nata e a ralé
de toda a sociedade.
Com esquadro
não se medem,
e na tortuosidade
se integram.
Canção de todos
os bons
que trabalham e enobrecem,
que constroem,
baseificam e enaltecem
os sentimentos mais puros
e as ações mais retas
em benefício do Homem,
da verdade e do amor.
Canção de todos,
para todos,
é a vida que surge
sedenta, nos olhos
da criança em flor,
pródiga e boa
em cada dia
que nasce, para o fitar
de um sonhador.

A zigana

A

Silvia C.S.P. Martinson

A garota caminhava rapidamente.
 
Teria que atravessar a praça onde eles acampavam para chegar, descendo as escadarias, à farmácia.
 
Tinha 12 anos.
 
Sua irmã estava doente, era necessário comprar remédios para ela.
 
Sua mãe lhe encarregara de tal mister.
Estavam acampados ali fazia meses.
 
Ocupavam os dois lados do caminho. Só restava um corredor ao meio para passagem.
Vinham todos os anos a mesma época para comemorar o dia de Santa Sara, protetora das grávidas e dos ciganos.
 
Eram muito ricos, diziam, pois que o rei, a rainha e suas filhas, as princesas, se faziam acompanhar por seu séquito e também por subalternos.
 
As mulheres se vestiam luxuosamente com seus trajes típicos e cobriam-se de colares, pulseiras e brincos de ouro e pedras preciosas.
 
A garota tinha pressa e começou a atravessar o acampamento.
 
Foi barrada.
Uma cigana lhe interceptou e segurou a mão onde se encontrava o dinheiro para os remédios.
 
Começou falando que as linhas da mão diziam que a menina teria vida longa, muito dinheiro, saúde e um grande amor em seu caminho.
 
Enquanto isso disfarçadamente pegou o dinheiro e o guardou em suas saias.
 
A garota apavorada começou a chorar e suplicar que devolvesse o dinheiro, ao que a cigana argumentava que não o havia pego.
 
Por obra dos anjos ou dos demônios protetores das crianças, ela desesperada gritou:
- Se não devolveres o meu dinheiro te rogo, agora, uma maldição!
Cairá sobre ti, cigana maldita, as sete pragas do inferno!
 
A cigana recuou apavorada e tirou de suas saias o dinheiro que havia escondido e o jogou no rosto da pequena dizendo-lhe:
- Vai-te daqui peste!
 
A menina correu, comprou os remédios, voltou à casa e nunca, nunca mais esqueceu.
 
Hoje quando vê uma cigana, corre a por em frente a porta de sua casa uma vassoura com a palha para cima, em direção ao céu.
 
Dizem os ciganos, que isto é sinal de mau agouro e nunca se aproximam para pedir ou enganar.

Sei

S

Silvia C.S.P. Martinson

 
Sei que lembrarás de mim,
no vento que passa,
na flor que se abre,
na primavera que chega,
na chuva que se vai.
Lembrarás eu sei,
na saudade que fica,
no verde do mar,
no profundo sentido,
da onda que se esvai,
no ciclo dos tempos
e na lágrima que cai.
Sei que lembrarás, eu sei,
em cada dia que nasce,
em cada tarde que morre,
na noite que chega silente,
como a gota,
compassada, dolente,
nas águas mansas que seguem,
na palmeira que se debruça
e na sombra dos pinheirais.
Na tristeza de mais um sonho,
teu, que na bruma se esvai.
Eu... Sei.

Miragem

M

Silvia C.S.P. Martinson

Em uma noite quente, de calor escaldante, ele sonhou, sonhou acordado.
 
Viu uma paisagem longínqua, de muito verde e de flores coloridas.
 
Criou coragem e pelos bosques caminhou, lentamente, sem pressa.
 
Movia-lhe uma curiosidade forte que não sabia de onde vinha e nem porque a sentia.
 
A lua derramava seus raios sobre tudo e as sombras na penumbra se moviam.
 
Pensou... Seriam elas reais ou fruto de imaginação sua.
 
Porém com o seu andar pelas cercanias, descobriu que as sombras eram verdadeiras.
Tinham forma, tinham cor, oscilavam, caminhavam.
 
Eram seres vivos que na noite se entretinham.
 
As árvores tinham vida a às flores cumprimentavam ais quando estas então lhes sorriam.
 
O chão por onde pisava ao seu contato exclamava:
- Pisa mais leve, por favor! Se possível voa, para não me causares mais dor!
O pasto sorridente lhe disse:
- Eis-me aqui felizmente! Sirvo para alimentar muita gente.
Ele surpreso então perguntou: a quem das de comer?
- a quem alimentas tu?
Este, ingenuamente respondeu:
- Alimento as formigas, as lagartas, desde a noite dos séculos, para que elas há seu tempo, como borboletas enfeitem os dias com suas cores luzentes.
 
E as sombras se moviam dando passagem ao intruso que no bosque adentrava cada vez mais espantado.
 
Os pássaros cantavam saudando a lua que cada vez mais a tudo clareava.
 
Até que como luz etérea ela, surgiu do nada.
 
Deslumbrou-o com seu olhar, como se a muito lhe conhecesse.
 
Ele pasmado, assombrado pelas lembranças, neste momento recordou-se.
 
Em passado distante a conhecera.
 
Era a mensageira protetora e amiga, sua fada madrinha, sua eterna companheira. A inspiração de seus dias.
 
Estendeu-lhe esta, as mãos e o convidou a segui-la.
 
O sonho virou realidade, para ele, e definitivamente, depois de tanto tempo, de muita dor e sofrimento, na noite eles seguiram, pelo resto de suas vidas.
 
E neste momento em que os dois finalmente consumam seu amor, com beijos e carícias por tanto tempo guardadas, ouve-se um som de trombetas, são os anjos que se acercam e dizem amém.
 
Ele então embevecido, ainda, ouve um som mais forte e estremece, é uma campainha a tocar.
 
Retorna de seu sonho e cambaleando vai à porta atender, não era ninguém.
 
Dá-se conta que sim, era o telefone que não parava de tocar.
 
Atendeu-o.
 
Era sua ex-mulher que por estar, ele, com a pensão atrasada, os filhos com fome, a escola sem pagar, passa então a vituperar maldizendo-o, por incompetente e estar sempre acordado a sonhar.
 
O idílio tão lindo, agora se desvanece, as ilusões somem da memória e se perdem para sempre, nesta vida, pelo ar.

Recordações

R

Silvia C.S.P. Martinson

Ele caminhava na tarde que se fazia muito fria.
 
As recordações lhe vinham às vezes aos poucos, outras aos borbotões impregnando sua mente com fatos e imagens do que se passara a muito tempo e não sabia bem porque acontecia isso naquele instante.
 
Lembrou os tempos de Ginásio, quando na aula de francês escreveu uma poesia e o professor duvidou que fora ele que a escrevera, todavia até provar o contrário lhe deu 10, nota máxima à época.
 
Já em Latim era muito bom, gostava da matéria e o professor era ótimo. Recordou então que talvez estivesse predestinado a ser padre ou então advogado. Optou por esta segunda hipótese.
 
Fez seu exame vestibular à Universidade e o idioma que escolheu como prova a ser submetido foi o francês. Foi bem sucedido, traduziu um texto do escritor francês Vitor Hugo.
 
Naquele tempo as escolas, mesmo as públicas eram muito boas e o ensino qualificado.
 
A educação era bastante completa, ali se estudavam as matemáticas em suas diversas formas, idiomas como o Francês, o Inglês e o Latim eram obrigatórios até ao final do curso, desenho artístico e geométrico também o eram assim como, História Geral e Nacional e Geografia do mesmo modo. Música em teoria e canto orfeônico faziam parte do curriculum escolar tanto quanto as classes de ginástica.
 
No Dia da Pátria as escolas conduziam os alunos para as grandes avenidas da cidade onde eram realizados os desfiles acompanhados pelas bandas de música da escola, evidentemente com os alunos devidamente uniformizados.
 
Cada escola queria ter uma banda de música mais completa e melhor que a outra.
Havia de certa forma uma competição neste sentido.
 
De repente estas lembranças se evaporaram de seu pensamento e deram lugar às dos tempos da Universidade, quando as ilusões se apagaram e deram lugar a dura realidade que era estudar à noite e trabalhar de dia. A Faculdade de Direito simplesmente lhe apaixonou.
 
Ali desenvolveu suas reais aptidões. Foi um aluno, assim pensava e acreditava, quase brilhante, tanto que para sua formatura foi convidado a fazer o juramento de sua turma. Juramento este composto de vários itens que poderia sintetizar dizendo que se destinava a exercer a profissão com denodo, ética e respeito aos ditames das leis.
 
Durante o período universitário teve vários professores com capacidade e desenvoltura em suas matérias, assim como, também os teve com graves defeitos tanto de cultura como falta real de conhecimento jurídico do que estavam tentando transmitir, o que causou embaraço e desinteresse por parte de alunos, que na verdade eram todos adultos vindos das mias diversas profissões e que por seu trabalho necessitavam estudar à noite.
 
Voltaram, naquele momento, também à sua memória os colegas que ali conhecera.
 
Recordou de um político que fora Secretario em outro município e que chegava às aulas com todo seu séquito de assessores, sendo que alguns deles mais velhos e mais sábios que ele.
Este homem era conhecido por sua petulância e soberba e também por maus tratos à sua mulher e subalternos.
 
Ele teve inúmera faltas às classes o que lhe ocasionou ser reprovado aquele ano. Tentou corromper os ditames da faculdade usando de seu poder político, o que não foi aceito naturalmente por ser uma Universidade ciosa de seu histórico, onde inclusive para passar de ano as notas mínimas eram mais altas que nas demais Faculdades.
 
O mínimo que o aluno tinha que tirar para passar de ano era 7 na média de cada matéria.
Os assessores idôneos deste homem o abandonaram depois e continuaram a estudar nesta Universidade. Ele inconformado procurou outra que lhe favorecesse os interesses.
 
Em caminhando ele ainda recordou das colegas mulheres que à época a estudar Direito não eram tantas e lutavam bravamente contra os preconceitos e também assédio dos colegas homens quando então, alguns, se pensavam muito machos e irresistíveis.
 
Lembrou-se da colega Vania, uma linda morena, que foi assediada por um colega mal educado e ao qual deu uma resposta inesquecível enquanto caminhava acompanhada por outra moça, na hora do descanso entre classes.
Assim disse o galã a ela:
- Esta noite querida vou dormir contigo!
Ao que ela respondeu imediatamente:
- Realmente assim se vai passar, porque, se fosses homem verdadeiramente, comigo ficarias acordado!
 
Ela começou a rir-se e com ela todos os demais colegas homens que ali se encontravam.
 
Pessoas inteligentes e perspicazes e possuidoras de uma rapidez mental com tendência à ironia sempre se sobressaem entre seus pares.
 
O galã era e continuou sendo um ser insignificante, sem maior expressão, tanto nos estudos quanto depois na vida profissional.
Já Vania foi com sua inteligência e perspicácia uma advogada brilhante e bem sucedida.
 
As lembranças foram aos poucos sendo substituídas naquele homem pela atenção que merecia sua caminhada naquela tarde fria, onde a necessidade de um abrigo seguro se fazia mais do que premente.

As avassalladoras

A

Silvia C.S.P. Martinson

Ela estava na praia por volta das 7,00 horas da manhã.
 
Na areia havia poucas pessoas.
 
O mar estava calmo, verde, águas límpidas, o sol surgia no horizonte clareando o dia, aquecendo as águas, a terra e aos homens de boa vontade e aos de má vontade também.
 
O Sol nasce para todos.
 
Havia motivos para chamar alguns de: homens de boa vontade. Isto se dá porque ao invés, há pessoas que amanhecem de mal consigo mesmas e por consequência com o mundo.
 
Que lástima!
 
Poderiam, estas, se sorrissem seriam mais felizes se não se preocupassem tanto com a vida alheia.
 
Após estas breves considerações sigamos com a nossa narrativa. E assim se passou. Eis como ela a quem conheci na praia me contou:
 
- Pois que assim que cheguei, carregada com a minha cadeira de praia, guarda-sol e uma bolsa contendo todos os objetos necessários para desfrutar de uma manhã preciosa na orla, ou seja: água para beber, toalha de banho, bronzeador, protetor solar, celular com carga completa para manter os devidos contatos com meu tradutor, ali me instalei.
 
Ali me instalei, diga-se de passagem, sem deixar de explicar -face às naturais dificuldades pertinentes à minha pessoa – que foi com algum esforço.
 
E assim sendo, fiquei à espera das amigas que sempre chegam um pouquinho mais tarde.
Foi o que se passou, continuou ela a narrar.
 
- Elas chegaram e se instalaram junto a mim, que lhes havia reservado um espaço um pouco maior. Éramos cinco mulheres.
 
Mais ou menos por volta das 10,30 horas da manhã chegaram outras pessoas, que por certo e por motivos particulares, resolveram vir mais tarde à praia.
 
Como me pareceu são moradoras antigas deste povoado e por serem muito velhas se julgam donas da praia e pensam que os melhores lugares, junto ao mar, devam-lhes serem reservados.
 
Em suas cabeças destituídas de bom senso, pequenez de cultura, urbanidade e vivência humana, devam ser-lhes guardados estes espaços por direito , o que só existe em seus pensamentos distorcidos.
 
¡Que pena!
 
E assim segue narrando:
 
- Então se acercaram a nós, liderados por uma velha, loira oxigenada, magra e mal vestida, que segundo algumas outras pessoas disseram, costuma ter atitudes desta natureza todos os veraneios apesar de residir em Madri, elas começaram em voz alta a dizer, a fim de que ouvíssemos que estávamos ocupando um espaço maior do que nos cabia. O que não era verdade.
 
Por falta de qualidade de comunicação e por serem pessoas que não têm maior capacidade intelectual de diálogo, ao invés de aproveitarem a bela manhã que se nos era brindada pela natureza, passaram todo o tempo a fazer comentários desairosos sobre nós e sobre os demais que ousavam lhes passar sob os olhos maldosos.
 
Para que saibas, nos mantivemos caladas e as ignoramos por completo, sem dirigir-lhes um olhar ou uma palavra sequer. Não valia a pena desgastar-mo-nos por tão pouco. Estávamos felizes.
 
Ela então, assim, encerrou sua narrativa:
- A manhã apesar de tudo nos brindou com muita alegria pelo encontro com os amigos, pelo banho em um mar deslumbrante e um sol de verão abrasador, que nos acariciou sobremaneira com seus raios.
 
Tudo o que se passou nos permitiu que novas ideias nos ocorressem e pudéssemos contar a você, escritor, este fato, a fim de que narre a seus leitores, através de seus escritos, mais uma história.
 
Eu lhe agradeci e parti na esperança de encontrar em meu caminho outras pessoas, outros episódios, quem sabe, para contar.

Cordas

C

Silvia C.S.P. Martinson

No lamento da guitarra
chora a alma do poeta
o Olé do amor perdido,
que no picadeiro da vida
caminhou em outro sentido.
E nas cordas gemendo
dedilha a dor da alma,
no “ pasodoble” das horas
a falta da mulher amada.
Para ela, que não retorna,
chora a dolente canção
dele que, espera
e jamais a alcança.
E na tourada do tempo
perde o homem a espada
e ao beijo, carinho não dado,
ganha a morte, da sorte,
a carta mal lançada.
As cordas num acorde
pungente choram,
pela última vez, agora.

A velha faca

A

Silvia C.S.P. Martinson

Era uma vila pequena encravada nas montanhas da Espanha. Chamavam-na Pueblo.
 
Suficientemente grande para seus moradores que se contavam por mais ou menos 650. Pequena para ser considerada como uma cidade, todavia mantinha seu espírito de isolamento e privacidade tão apreciado por seus habitantes.
 
No entanto, tinha lá os seus encantos e conforto e os habitantes consideravam-se felizes por morar ali.
 
Raramente vinha algum “forasteiro” que é como eles chamavam os visitantes que porventura viessem para conhecer a vila.
 
Havia nela um castelo muito antigo feito ainda sob a dominação árabe. E este é que fazia com que, apesar de estar em ruínas, atraísse a atenção de algum visitante.
 
Este povoado tinha lá suas comodidades tais como: padaria, mercearia, açougue e até um pequeno mercadinho que abastecia a população local.
 
Sem contar ainda que possuía uma igreja medieval aonde o cura vinha de fora a rezar a missa todos os domingos. A igreja era bem conservada. Consequentemente tinha também um cemitério para enterrar os que morressem ali, pois que trasladar o corpo para outras cidades, além de caro o acesso por estradas de terra tornava a empreitada mais difícil.
 
O hotel então existente era pequeno mas aprazível para receber os visitantes, a comida era boa e os quartos bem arejados e limpos.
 
Os moradores todos se conheciam, desde o dono do mercadinho até o açougueiro, este último proveniente de uma família tradicional no ramo de cortar de fornecer carne àquele povo.
 
A população local estava ficando cada vez mais velha e exígua. Os jovens não queriam mais viver ali e buscavam as grandes metrópoles para estudar, trabalhar e algumas vezes constituir família.
 
Os que ali permaneceram se condicionaram a casar com as poucas raparigas locais quando não o faziam dentro da própria família, casando primos com primos, sobrinhas com tios, etc.
 
Rafael de quem vamos tratar e que na intimidade da vila onde nasceu e se criou era por todos chamado de Rafa.
 
Descendia de uma família conhecida por seu ofício, o que sói acontecer muito na Europa. Eles eram por profissão e herança açougueiros.
 
Tinham no centro da vila um prédio que transformaram em açougue desde os tempos de seus bisavós.
 
Neste açougue eram expostos e também conservados os mais diversos tipos de carnes como: cordeiros e cabritos, que criados eram criados em larga escala nesta localidade, haja vista que a formação de pastos e a serra apropriava-se a tal criação. Havia também em menor escala a criação de galinhas poedeiras e para abate, bem como, gado leiteiro com que se abastecia de leite e carne a população.
 
Assim que Rafael se criou vendo e aprendendo a arte de cortar, desossar, separar as partes nobres das mais inferiores a fim de que, conforme o poder aquisitivo de cada um, tudo fosse vendido e consumido pela população.
 
Outra coisa que aprendeu foi manter o seu ambiente de trabalho impecavelmente limpo visando a não contaminação das carnes.
Igualmente, a arte de amolar facas também lhe foi transmitida, fazendo com que, bem afiadas, elas facilitassem seu trabalho.
 
Quando morreu seu pai entre os bens que recebeu como herança, por ser o primogênito da família, lhe foi passada a melhor e mais antiga faca do açougue.
 
Esta faca era tratada com carinho e respeito desde os seus ancestrais. Era considerada uma preciosidade dada a qualidade de seu aço, forjado na Alemanha, que apesar de ser afiada constantemente nunca perdeu sua forma original, tampouco sua capacidade de corte.
 
Esta faca passou de geração em geração sendo utilizada. Rafael pretendia passá-la a seu filho mais velho quando se aposentasse.
 
No entanto, o rapaz não quis seguir com a profissão do pai, preferindo ir à metrópole estudar e se tornar engenheiro.
 
Estando então Rafael já velho e cansado resolveu vender o açougue, mas não a faca.
Quando seu filho voltou para casa Rafael tentou lhe dar a faca ao que ele se recusou a recebê-la, dizendo que em sua profissão ela era absolutamente desnecessária.
 
Neste momento algo estranho aconteceu, o aço da faca brilhou intensamente, ouviu-se então um estalido e ela simplesmente partiu-se ao meio.
 
Rafael quedou-se profundamente perturbado, uma lágrima lhe rolou pelo rosto e com as duas metades na mão pediu que o dia em que morresse fosse com ele enterrada, em seu caixão, a faca.
 
E, alguns anos mais tarde, assim foi feito.
 

Andrajos de Pátria

A

Silvia C.S.P. Martinson

Nos grilhões
da tirania,
da desonra,
não vibra meu povo
nem clama,
nem grita.
No ostracismo da vontade,
no império da força,
na imprensa muda,
vende-se o homem
e seus ideais maiores
jazem na terra batida,
sem marcas,
sem lágrimas,
rendidos ao tacão
da bota cruel.
Arrasta-se o povo, meu povo sedento
de paz e de amor,
impelido aos extremos
sem armas, sem pão
e sem fé.
Não vibra meu povo,
Não há esperanças.
Não ouve a voz
do jovem protesto
que se eleva da turba
e nela se afoga
ao grito maior
da granada e do algoz.
O mártir não convence
e é injuriado.
O bom se corrompe
e mau se faz.
Potentado à custa
da Pátria oprimida.
Meu povo onde estás?
Teu grito é agora,
necessário se faz!
E nós outros queremos,
somente, únicamente,
a Paz

Síguenos